10 de jul de 2012

Um último adeus... ou quase isso

Emma encarava a janela. Seus olhos estavam inchados de tanto chorar. Todo o seu lápis de olho escorria pelas bochechas, ela gemia de desespero. Mesmo não sendo uma escolha sensata, era a escolha dela, era o que ela queria. Não via outros meios de lidar com a dor. Ela se aproximou da janela, observando os pássaros "Queria tanto ser um deles", pensou ela, "Eles não se incomodam com nada, são livres para ir aonde querem, quando sentem algo, voam bem alto, longe de todos". Talvez o que fosse fazer, aliviasse toda a amargura que estava sentindo. Abriu as portas da janela, pôs-se perto dela e observou a rua, depois do frio na barriga tudo isso estaria acabado...

Toc toc toc, alguém bateu na porta.

- Emma! - era a voz de sua prima, Lucy - Emma, abra a porta! Por favor...

Provavelmente seus pais chamaram todos os seus parentes, notaram o que ela estava tentando fazer, porém ela trancara a porta de chave, ninguém podia entrar. Ela não ia ser impedida por ninguém, sua decisão já estava tomada.

- Não adianta entrar! - disse Emma - Eu vou fazer isso e ninguém vai me impedir!

- Eu sei! - gritou Lucy por trás da porta - Mas eu só quero lhe dar um último adeus!

Emma sabia que aquilo era um truque, ela estava falando isso para entrar, e assim todos poderiam lhe segurara a força e interná-la numa clínica psiquiátrica.

- Eu não vou abrir! - disse ela.

- Eu juro que não tem ninguém aqui, só quero conversar com você, me despedir. - disse Lucy.

Ela não podia abrir a porta, estava perto de fazer, mas era Lucy, Lucy a amava e a entendia, era quatro anos mais velha que ela, e mesmo não estando sempre presente - porque morava fora - quando chegava em sua cidade, sempre conversava com ela.

- Está bem. - disse Emma.

Ela caminhou até a porta, abriu a fechadura e voltou para perto da janela, observando o céu. Sua prima entrou, e se aproximou aos poucos dela.

- Olha, se está aqui para... - disse ela.

- Tudo bem, eu já entendi. - disse Lucy, interrompendo-a. - Como eu disse, só vim conversar. - ela observou a carinha de choro de Emma, só dezesseis anos e já odiava a vida. - Se lembra de quando éramos crianças? Se lembra dessa janela? Quando a gente estava brincando de cabra cega...

- E eu meti a testa na janela, é eu me lembro. - disse Emma.

- Também transformamos seu quarto em um quarto de boneca, pintamos e tudo, sua mãe deu uma bronca danada em nós.

- É, e no Léo também, por nos dar a tinta.

- É. - Lucy soltou um sorriso - Emma, tem certeza que quer fazer isto? Você sabe... ir embora.

- Eu não aguento mais, Lucy. Sei que sou apenas uma adolescente mas essa é a saída, minha vida é uma droga. Não tenho motivos para continuar vivendo, pode falar o que quiser, pode dizer que meus pais se importam comigo, mas eles não se importam, a única que se importa é você. Sinto muito desapontá-la, mas é isso.

- Não pense que está me desapontando, pense no que você acha disso. Só acho que você devia dar mais uma chance a você mesma, não a ninguém. Sei que mudar é difícil, e nem sempre é correto, mas às vezes mudanças são favoráveis, você pode até achar que as pessoas lhe abandonaram mas vai ver você não pediu ajuda a elas.

Emma encarou o chão. Se sentia perdida demais para pedir ajuda, não conseguia falar, se expressar. Mas sentia que Lucy, sendo somente sua prima, conseguia muito mais ser alguém melhor que sua mãe.

- Acho que eu entendo o que você tá sentindo, um tipo de vazio não é? - disse Lucy - Acho que uma pequena dose de amor preencheria esse buraco.

As duas se encararam. Repentinamente, Lucy começou a cantar uma canção.

"Love, love, love"

Emma ouviu com atenção. Depois reconheceu a música, era "All You Need Is Love" dos Beatles, uma música que elas ouviam desde pequena e amavam. A letra era linda, tinha muitas lições. Então ela foi cantando junto aos poucos com Lucy.

"There's nothing you can do that can't be done, nothing you can sing that can't be sung"

As duas continuavam cantando, Emma ia parando o choro aos poucos, até que elas chegaram no refrão.

"All you need is love, all you need is love, all you need is love, love, love, love is all you need"

As duas repetiram o refrão de acordo com a música. Um sorriso ia se abrindo no rosto de Emma, aquela música trazia à tona bons momentos, talvez ainda houvesse uma pontinha de esperança em seu coraçãozinho teimoso...
Então ela se jogou nos braços de Lucy e pôs-se a chorar. Mas não era um choro de tristeza, era um choro de alívio. Em poucos anos, somente Lucy a fez se sentir assim, querida.

- Ponha pra fora, querida. - disse Lucy, enquanto abraçava Emma e chorava junto com ela. 

Então Emma se ergueu e encarou Lucy nos olhos.

- Obrigada. - disse ela.

- Shhh. - disse Lucy, enxugando suas lágrimas.

A partir desse dia, Emma conseguiu - enfim - ser feliz. Viu que não eram as pessoas que estavam erradas, e sim ela por não querer ajuda. Aprendeu a conversar com os pais e conviveu mais com Lucy, logo ao longo dos anos Emma fez faculdade, duas moraram juntas e seguiram suas vidas.

***

Uma coisa eu lhe garanto: sempre há uma saída. Por mais que a única porta esteja difícil de abrir, por mais que a tranca pareça estar emperrada, procure lá no fundo e você vai acabar encontrando a chave ideal. Eu formulei um final feliz, mas nem todas as histórias são mudadas, nem todas têm finais felizes. E não é preciso  um discurso repetido de que você tem toda a vida pela frente e blá blá blá, quando alguém está desesperado deixa a razão de lado, quer apenas tirar a dor - por mais que seja uma decisão imatura. Apenas um trecho de uma música pode te trazer à vida, apenas boas lembranças podem curar essa dor, podem lhe lembrar de que os tempos difíceis estão permanecendo, mas se em uma época você se sentiu feliz, você pode passar por essa fase de tristeza profunda e logo rumar para uma nova época.

Mude finais de histórias, quem sabe mude a sua história, a felicidade pode não estar clara nem de uma forma concreta, na história apenas memórias enterradas que podiam servir como base e força pro futuro ajudaram. Faça com que histórias como essa, aconteçam.

12 comentários:

Jeniffer Yara disse...

Gosh, tinha formulado um comentário lindinho pra cá, mas não sei se foi, internet ridícula que fez isso --'
Mas enfim, seu texto caiu perfeitamente pra mim. Nem todos os dias são bons, existem aqueles momentos que me bate aquela tristeza depressiva que me faz pensar que não tem solução ou saída pra essa fase ruim, mas claro que tem. Só não vemos na hora.
Coisas simples podem mudar nossas atitudes e com certeza vale a pena se dar uma chance de novo, dar sempre uma chance pra vida e seguir em frente por causa delas ♥
Amei muito seu texto!

Beijos

Arianne Carla disse...

Temos que dar sempre uma nova chance a nós mesmo, uma nova chance sincera... Se não fizermos isso por nós, por quem iremos fazer?
<3

Beijos
http://eppifania.blogspot.com.br/

Raah disse...

Olá Manu! Gostei do texto, bem reflexivo. Acho que a mudança deve começar pela gente. De nada adianta se 1 milhão de pessoas tentar ajudar, se apena 1, você, não se ajudar! Bem legal o post!

Beijos e boa semana!
http://mapetiit.blogspot.com.br/

Heitor Lima disse...

Falta muita gente como a Lucy nesse mundo. Gente que sabe estar no momento certo fazendo a coisa certa. Isso que muda histórias.
Gostei demais daqui. Seu post de seriados lá em baixo me agradou muito >.< Kyle XY me interessa muito, um dia ainda assisto.
Visita-me?
;*

Stella Valim disse...

Que lindo, lindo demais.
As vezes faltam pessoas como Lucy para nos acudir, para nos fazer sentir querida. Adorei a forma como você passou a mensagem e realmente: Sempre há uma saída.
http://www.senhoritaliberdade.com

Vitória disse...

Que lindo, adorei, mesmo, mesmo.
Muito lindo o seu jeito de passar essa mensagem.
Beijos.

Laís de Medeiros disse...

Que lindo o texto, Manu! Sério, muuuuito lindo mesmo!
Eu adoro essa mensagem de que depende de você achar uma solução para seus problemas, depende de você levantar e encarar a vida de novo. É o que muita gene devia saber fazer. Não ficar chorando por algo que já passou quando "tem toda a vida pela frente". Vamos passar por diversos problemas, de todas as naturezas e tamanhos, mas cabe a cada um de nós o modo como nos levantaremos depois, não é mesmo?
Eu adorei o que você escreveu <3
Xiricutico.blogspot.com

Andy Reis Elcimar disse...

Manu, que texto lindo!! Adorei a mensagem que quis nos passar! (^^)..

A maturidade.
Acesso Permitido.
A superioridade, o orgulho.. Soberba!
Projeto Discipulando.

mush disse...

Que lindo, manu! Se eu soubesse chorar, chorava (?) Coloquei a música pra ouvir enquanto lia, haushaushauhsa todo mundo que se sente assim devia ter uma Lucy por perto porque é, nem todo final é feliz.
Beijos ♥

Conspirantes

Iasmin Cruz disse...

Que linda, meus olhos encheram de lágrimas. Encantador.
Já tive uma Lucy na minha vida e é incrível ter uma pessoa assim. Bela lição, adorei o texto e a mensagem: A saída sempre irá existir, basta tentar e dá uma chance a nós mesmos.

http://iasmincruz.blogspot.com.br/

Nanny disse...

Oiiiie adorei seu blog
adorei a post , o desing , resumindo tudo kkkk
seguindo, segue de volta??
http://mudandodetemaofficial.blogspot.com.br/

Tanara Adriano disse...

Verdade, sempre há uma saída mesmo.. o problema é quando a gente não está disposta a encontrá-la.

Se puder e quiser flor, segue meu novo blog!?

Beeeeijo

Postar um comentário

Só comente quando saber pelo menos 10% do post e escolha a opção "Nome/URL". Ah e não aceito selos/tags e nem parceria. Obrigada pela visita.